Mencía (ES) / Jaen (PT)

Variedade: Tinta | Categoria II | Portugal/Espanha

mencia_jaen-uvas

Ficha da Casta

Mencía

Jaen

Origem da casta: Espanha, em Bierzo/Castilla y León, com a denominação de Mencia. Em Espanha, o fenómeno da intravariabilidade é significativamente superior (A. Martins, 2005, comunicação pessoal). Em Portugal, a denominação é recente, sendo ainda desconhecida em 1897 (Meneses). García de los Salomons (1914) conhece a casta.

Região de maior expansão: Dão.

Sinónimos oficiais (nacional e OIV): Mencía (E).

Sinónimos históricos e regionais: Fernão Pires Tinta, Jaen Galego, Gião (Dão).

Homónimos: Jaén (E).

Superfície vitícola actual: Espanha, 8.761 ha; Portugal, 2.400 ha.

Utilização actual a nível nacional: 1,5%. Em Espanha, similar.

Tendência de desenvolvimento: Em expansão.

Intravariabilidade varietal da produção: Reduzida.

Qualidade do material vegetativo: Material policlonal para conservação da intravariabilidade (RNSV); clones 91-97 EAN. Espanha: clones seleccionados na Galiza e em Castilla y León, como CL-51, CL-79, CL-94.

VVMD5 VVMD7 VVMD27 VrZag62 VrZag79 VVS2
Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2
226 236 245 253 181 189 188 194 247 251 147 153

Vinho de Qualidade DOC: Espanha: DO Arlanza, Arribes, Bierzo, La Mancha, Monterrei, Rias Baixas, Ribeira Sacra, Ribeiro, Tierra de León, Valdeorras e Valência. Portugal: DOC, «Douro», «Bairrada», «Dão», «Cova da Beira», «Alenquer», «Arruda», «Torres Vedras», «Ribatejo».

Vinho de qualidade IPR: «Lafões».

Vinho regional: «Minho», «Trás-os-Montes», «Beiras», «Estremadura».

Extremidade do ramo jovem: Aberta, com carmim generalizado e fraco, nula densidade de pêlos prostrados.

Folha jovem: Verde, página inferior glabra.

Flor: Hermafrodita.

Pâmpano: Verde, com gomos verdes.

Folha adulta: Pequena, pentagonal, com cinco lóbulos; limbo verde-médio, irregular, liso, página inferior glabra; dentes médios e convexos; seio peciolar aberto, com a base em V, seios laterais abertos em V.

Cacho: Médio/grande, cónico, compacto, pedúnculo de comprimento médio.

Bago: Arredondado, médio e negro-azul; alguma resistência ao destacamento.

Película: Medianamente espessa, polpa mole.

Graínhas: Pequeno número, grandes, herbáceas.

Abrolhamento: Época média, 9 dias após a Castelão.

Floração: Época média, 7 dias após a Castelão.

Pintor: Precoce, 5 dias antes da Castelão.

Maturação: Época média, em simultâneo com a Castelão, apresentando baixos teores de acidez.

Vigor: Médio-alto.

Porte (tropia): Semi-erecto.

Entrenós: Muito curtos.

Tendência para o desenvolvimento de netas: Média.

Rebentação múltipla: Muito baixa.

Índice de fertilidade: Elevada, mesmo com poda curta.

Produtividade: Elevada. Acima de 15.000 kg/ha. Valores RNSV: 2,2 kg/pl (média de, no mínimo, 40 cultivares, registada em Nelas, durante 2 anos).

Estabilidade da produção (diferentes anos e localidades): Regular.

Homogeneidade de produção (entre as plantas): Uniforme.

Índice de Winkler (somatório de temperaturas activas): 1.500 horas acima de 10° C, com produção de 9 t/ha (Montemor-o-Novo).

Producção recomendada: Inferior a 5.000 l/ha.

Sensibilidade abiótica: Sensível ao vento; na fase inicial quebra o rebento, na fase final faz cair os bagos.

Sensibilidade criptogâmica: Muito sensível ao Míldio, ao Oídio e à Podridão Cinzenta.

Estado sanitário (sistémico) antes da selecção: 20% GLRaV3, 30% GFkV, <50% RSPV.

Sensibilidade a parasitas: Mediana à Cigarrinha Verde e baixa à Traça.

Tamanho do cacho: Médio (200-230 g).

Compactação do cacho: Compacto.

Bago: Médio (1,5-1,8 g) e arredondado.

Película: Pouco espessa.

Nº de graínhas: 1,6 por bago, herbáceas.

Sistema de condução: Adapta-se a qualquer tipo de poda. Recomenda-se a desfolha várias vezes.

Solo favorável para obter qualidade: Casta versátil quanto ao tipo de solo, desde que não haja excesso de humidade.

Clima favorável: Seco.

Compasso: Adapta-se a todos os compassos.

Porta-enxertos: Não há problemas de afinidade, devendo ser adaptado ao clima e ao solo.

Desavinho/Bagoinha: Pouco sensível ao desavinho.

Conservação do cacho após maturação: Amadurece bem, em boas condições para a vindima.

Protecção contra ataques de pássaros: Necessária, por ser uma casta muito precoce.

Aptidão para vindima mecânica: Possível, mas só em condições de temperatura baixa.

Tipo de vinho: Vinho de mesa.

Grau alcoólico provável do mosto: Alto (até 14% vol.). Valores RNSV: 13,62% vol. (média de, no mínimo, 40 cultivares, registada em Penalva, durante 5 anos).

Acidez natural: Muito baixa (3-4,5 g/l de acidez total; 0,6 de acidez málica; 3,5 de tartárica), com tendência para cair ainda mais após a vinificação. Valores RNSV: 3,34 g/l (média de, no mínimo, 40 cultivares, registada em Penalva, durante 5 anos).

Autocianinas totais: Valores RNSV: 737,22 mg/l (média de, no mínimo, 40 cultivares, registada em Penalva, durante 5 anos).

Índice de polifenóis totais (280nm) do mosto: Valores RNSV: 30,96 (média de, no mínimo, 40 cultivares, registada em Penalva, durante 5 anos).

Sensibilidade do mosto à oxidação: Só em caso de problemas sanitários.

Intensidade da cor: Tinto a retinto.

Tonalidade: Tonalidades violáceas nos primeiros tempos.

Sensibilidade do vinho à oxidação: Média.

Análise laboratorial dos aromas: Compostos precursores do aroma – A casta, no Dão, contém a segunda maior concentração (após TN) de compostos terpénicos: Linalol livre com 39 μg/l, Nerol com 35,8 μg/l, Geranol com 20 μg/l. Sensorialmente, a casta tem aroma floral, evoluindo para frutado com notas de morango.

Capacidade de envelhecimento do vinho: Vinho para consumir novo, com envelhecimento muito rápido.

Recomendação para lote: Os vinhos, para envelhecer, necessitam da pujança da Touriga Nacional e de um pouco de acidez da Rufete ou Alfrocheiro (V. Loureiro, 2002).

Potencial para vinho elementar: Não conhecido.

Caracterização habitual do vinho: «O seu aroma é intenso e delicado, lembrando amoras e mirtilos, o que torna a casta preciosa. Apesar de um pouco rústico, o carácter do seu aroma e a persistência que deixa na boca tornam estes vinhos inesquecíveis» (Loureiro, 2002).

Qualidade do vinho: Macio, pode ser elegante se for vindimado precocemente.

Particularidade da casta: Reconhece-se pela folha adulta com página inferior glabra (sem pelos), entrenós curtos. Videira de maturação precoce. Boa resistência à seca, elevada produtividade com qualidade excepcional e aromática em certas regiões, mas normalmente apresenta fraca acidez natural, por isso origina vinho sem longevidade.

Outras castas da mesma categoria: