Tinta-Carvalha (PT)

Variedade: Tinta | Categoria II | Portugal

SEM_IMAGEM

Ficha da Casta

Tinta-Carvalha

Origem da casta: Trás-os-Montes. Vila Maior (1866): «É das castas tintas que mais abundam no concelho de Sabrosa.»

Região de maior expansão: Estremadura, Trás-os-Montes e Minho.

Sinónimos oficiais (nacional e OIV): Não há.

Sinónimos históricos e regionais: Não são conhecidos.

Homónimos: Não são conhecidos.

Superfície vitícola actual: 1.800 ha.

Utilização actual a nível nacional: Muito pouca replantação.

Tendência de desenvolvimento: Substituição, na superfície de implantação, por castas nobres.

Intravariabilidade varietal da produção: Não foi analisada.

Qualidade do material vegetativo: Não foi seleccionada.


VVMD5 VVMD7 VVMD27 VrZag62 VrZag79 VVS2
Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2 Alelo1 Alelo2
232 236 245 259 181 189 194 204 247 251 147 153

Vinho de Qualidade DOC: «Chaves», «Valpaços», «Douro», «Moura», «Vidigueira».

Vinho regional: «Trás-os-Montes», «Beiras», «Beira interior», «Estremadura», «Ribatejano», «Alentejano», «Algarve».

Extremidade do ramo jovem: Aberta, com fraca pigmentação antociânica generalizada, média pilosidade aplicada.

Folha jovem: Verde, com placas bronzeadas. Página inferior com média pilosidade aplicada entre as nervuras, fraca pilosidade aplicada e erecta sobre as nervuras.

Flor: Hermafrodita.

Pâmpano: Nós vermelhos ou verdes em ambas as faces, entrenós com estrias vermelhas em ambas as faces. Comprimento das gavinhas médio.

Folha adulta: Média, quinquelobada e pentagonal; limbo verde médio, perfil involuto, com fraco empolamento; dentes curtos, rectilíneos e convexo-côncavos; seio peciolar fechado ou pouco aberto, em V; seios laterais superiores abertos com a base em V, página inferior com fraca densidade de pêlos aplicados. Pecíolo mais curto do que a nervura principal e glabro.

Cacho: Médio, compacto. Pedúnculo curto com média lenhificação.

Bago: Médio, uniforme, forma elíptica curta e secção transversal regular; epiderme negra-azul com forte pruína; película de espessura média; polpa não corada, mole, suculenta e de sabor especial; pedicelo curto.

Sarmento: Castanho-avermelhado e glabro.

Abrolhamento: Junto com a Castelão.

Floração: Mediana.

Pintor: 15 dias antes da Castelão.

Maturação: 8 dias antes da Castelão.

Vigor: Médio/fraco.

Porte (tropia): Semi-erecto.

Entrenós: Médios.

Tendência para o desenvolvimento de netas: Forte.

Rebentação múltipla: Elevada (35% dos gomos).

Índice de fertilidade: Elevado (1,72 inflorescências por gomo abrolhado).

Produtividade: Índice 426; elevado (até acima de 20 t/ha).

Estabilidade da produção (diferentes anos e localidades): Regular.

Homogeneidade de produção (entre as plantas): Uniforme.

Índice de Winkler (somatório de temperaturas activas): Não são conhecidos estes estudos.

Producção recomendada: Elevada, no caso de vinho rosado.

Sensibilidade abiótica: Sensível ao excesso de insolação. Perigo de escaldão.

Sensibilidade criptogâmica: Tolerância ao Oídio e ao Míldio. Alguma tendência para Botritis na fase de maturação.

Estado sanitário (sistémico) antes da selecção: Não foi analisada.

Sensibilidade a parasitas: Alguma à Cigarrinha Verde.

Tamanho do cacho: Médios-grandes (250 - 400 g).

Compactação do cacho: Compacto.

Bago: Em média 3,2 g.

Película: Medianamente espessa.

Nº de graínhas: Em média, 2,3 por bago.

Sistema de condução: Não tem exigência específica.

Solo favorável para obter qualidade: Solos de granito derivado, fundos e férteis.

Clima favorável: Quente e seco.

Compasso: Qualquer dos utilizados na região da sua implantação.

Porta-enxertos: Não especificamente estudados. Boa afinidade com os porta-enxertos tradicionais.

Irrigação: Não estudada.

Desavinho/Bagoinha: Pouco susceptível ao desavinho, alguma bagoinha.

Conservação do cacho após maturação: Não específica.

Protecção contra ataques de pássaros: Não necessária.

Aptidão para vindima mecânica: Não existe experiência.

Tipo de vinho: Vinho rosado, vinho tinto de baixa graduação.

Grau alcoólico provável do mosto: Baixo (10,6 - 11,1% vol.).

Acidez natural: Média a elevada (5 - 6 g/l.)

Autocianinas totais: Baixas.

Sensibilidade do mosto à oxidação: Medianamente sensível.

Intensidade da cor: Baixa.

Sensibilidade do vinho à oxidação: Medianamente sensível.

Análise laboratorial dos aromas: Não foram analisados os aromas desta casta.

Capacidade de envelhecimento do vinho: Pouca.

Recomendação para lote: Castas da região com intensidade de cor.

Potencial para vinho elementar: Não tem potencial para isso.

Caracterização habitual do vinho: Vinho de cor pouco carregada, de rosado até rubi, macio e agradável na boca, com pouco aroma, de sabor possivelmente um pouco áspero, sem persistência. Envelhecimento menos favorável, mas com interesse como casta de lote. A casta é pouco adaptável a outras regiões, como a Beira Interior ou às zonas marginais de Trás-os-Montes, apresentando vinhos menos favoráveis. Vinho tinto de reduzido interesse fora da sua região de origem e em anos menos favoráveis.

Qualidade do vinho: Bom vinho rosado; tipo de vinho tinto fora dos objectivos comerciais actuais.

Particularidade da casta: Casta de grande tradição nos vinhos rosados, actualmente pouco apreciada. Distingue-se pela folhagem verde clara, de folhas pouco recortadas, de lóbulo principal triangular, e pela cor rosada dos bagos. Produz uvas para vinho de pouco corante e de baixa graduação.

Outras castas da mesma categoria: